QUER RECEBER OFERTAS E DESCONTOS?
Cadastre seu e-mail abaixo e fique por dentro de todas as novidades!
  • Pássaros Silvestres: Criação de bicudo

    Pássaros Silvestres: Criação de bicudo

    o Bicudo (Sporophila maximiliani) é uma ave passeriforme da família Thraupidae, sua cauda é composta de 12 penas e,  possui 17 penas em cada asa.  Pode ser avistado de longe, pois seu bico reluzente se destaca de tudo que está em sua volta, daí o nome –“Bicudo .

    É um pássaro granívoro, aprecia principalmente as sementes de capim-navalha , navalha-de-macaco  e tiririca. É uma espécie rara, vive em pares bastante espalhados. Mede cerca de 15 cm de comprimento e quando adultos os machos apresentam coloração preta, com uma mancha branca na parte externa das asas. A parte inferior das asas apresenta nuances de branco e seu bico é branco ou manchado na maioria dos bicudos.

    Na natureza podem viver por  10 anos, porém, em cativeiro atingem 30 anos ou mais, por receberem dieta balanceada, cuidados sanitários e pela ausência de predadores. Na maior parte do tempo, são encontrados aos casais, sendo um pássaro extremamente territorialista, domina o espaço de terra onde nidifica, não permitindo a presença de outros exemplares de sua espécie. A agressividade também é demonstrada para com outros tipos de aves, desde que entenda que está sendo incomodado. Seu território seria como um círculo em volta do ninho, de aproximadamente 100 metros de diâmetro, onde seu canto pode ser escutado com nitidez.

    A fêmea é também muito agressiva e pode travar luta de morte com outra fêmea para defender seu território e seu macho. Ela não aceita a presença de outra fêmea em hipótese alguma e costuma ser ainda mais ciumenta e violenta que o macho. É comum o casal se desentender e se machucarem por ciúme, quando algum outro, macho ou fêmea, invade o território.

    O macho costuma usar de muita violência, obrigando a fêmea a se afastar de perto do adversário, para depois vir enfrentá-lo.  Está sempre migrando, pois, detesta ser incomodado e, se tal acontecer, reage de imediato, mudando de território. As posturas são de 2 a 3 ovos e o período de incubação variando de 13 a 15 dias. A estação reprodutiva vai de outubro a março (dependendo da região) e um casal pode tirar até três ninhadas no período.

     

  • Pássaros silvestres: criação de azulão

    Pássaros silvestres: criação de azulão

    O período de reprodução do Azulão no Centro Sul do Brasil é de setembro a fevereiro, coincidindo com o período chuvoso. A fêmea dá sinais de que está pronta para chocar quando começa a voar muito, a arrancar papel do fundo da gaiola, carregar capim no bico e levá-lo para o ninho. No manuseio do macho, o melhor é colocá-lo para galar e imediatamente afastá-lo para outra gaiola, assim pode-se utilizar um macho para várias fêmeas (poligamia). Pode-se deixar várias gaiolas com fêmeas em um mesmo local, desde que elas não se enxerguem. O acasalamento pode ser feito em Viveiros

    Em viveiro, o manejo é mais trabalhoso e o controle do ambiente é quase impossível; os filhotes costumam cair do ninho e morrem. As gaiolas de criação devem ser de puro arame, com medida de 60 cm comprimento x 40 cm largura x 35 cm altura, com quatro portas na frente, comedouros pelo lado de fora para dentro da gaiola, e com um passador lateral. A do macho pode ser a metade disso. Os ninhos devem ser de bucha, com 7 cm de diâmetro e 5 cm de profundidade no centro. Deve-se colocar bastante raiz de capim e pedaços de corda de sisal para estimular a fêmea.

    O filhote de azulão nasce após treze dias do inicio do choco e começa a sair do ninho com cerca de 16 dias de idade, podendo ser separado da mãe com aproximadamente 35 dias. As anilhas serão colocadas entre o 7º e o 10º dia de vida. Cada fêmea choca de 03 a 04 vezes por ano, podendo tirar de 06 a 12 filhotes por temporada. As fêmeas do Azulão são excelentes mães, cuidam muito bem dos filhotes, por isso, muitos criadores as utilizam como babás para criar filhotes de bicudos.

  • Aprenda a fazer viveiro para pássaros

    Aprenda a fazer viveiro para pássaros

    Inicialmente antes de construir um viveiro para pássaros é importante que a finalidade de seu uso seja bem definida, ou seja, deve-se especificar para qual espécie o viveiro será construído, além de verificar para quantos pássaros será feita a moradia e se pretende reproduzi-los ou não.

    Deste modo, você saberá como fazer viveiro para pássaros completamente, podendo definir e planejar quais acessórios irá utilizar dentro de seu viveiro e qual tamanho ele será construído, evitando futuros problemas com seus pássaros.

    Fazendo viveiro para pássaros

    Fazer viveiros para pássaros não é algo muito fácil e exige um pouco dedicação, por isso, antes de construí-lo pesquise um pouco sobre o assunto e aprenda de maneira eficaz como fazer viveiro para pássaros. O mesmo pode ser construído dentro de uma parte interna de um galpão ou em um ambiente externo, desde que seja protegido de fatores climáticos.

    Caso opte deixar no lado externo procure um lugar adequado para fazer o seu viveiro para pássaros, onde não receba muitas correntes de ar ou calor, para que suas aves não adoeçam.

    Mais um ponto importante é que o seu viveiro para pássaros tenha a capacidade de receber o sol matinal, o qual não é muito quente, sendo fundamental para o seu pássaro, além de ter que ser bem arejado.

    Após escolher o local, o próximo passo é calcular o espaço em que você fará o seu viveiro para pássaros. As medidas poderão variar de acordo com a espécie escolhida e a quantidade de aves que ficaram no viveiro.

    É importante que antes de montar o viveiro para pássaros você pesquise um pouco sobre a área que eles vivem, para que possa reproduzi-la de maneira correto. Deste modo, seus pássaros viverão bem melhor, além de ter uma maior longevidade.

    Após calcular o espaço e fazer o projeto de seu viveiro para pássaros, você já pode iniciar os trabalhos. É possível que você tenha mais de uma espécie dentro do mesmo viveiro, como a calopsita por exemplo, que permitem conviver em ambientes com uma maior diversidade de espécie, principalmente com pássaros de pequenos portes, como o periquito.

    Materiais utilizados

    Os materiais utilizados na construção de seu viveiro para pássaros podem ser alvenaria, tijolos de barro rebocados, placas de cimento ou até mesmo blocos revestidos de argamassa.

    Utilize telhas de cerâmica em 1/3 de viveiro para pássaros, assim você irá proteger a parte de bebedouros e comedouros, além das casinhas.

    A tela galvanizada é a melhor opção para fechar o seu viveiro para pássaros, onde pode-se usar ½ polegada de cerca de fio 18.

    Não é difícil aprender como fazer viveiro para pássaros. Mas não se esqueça que o viveiro para pássaros deve se preparado de modo específico, para que a espécie possa ter todas as suas necessidades atendidas, garantindo o seu bem estar e saúde.

  • Pássaros Silvestres: a alimentação dos filhotes de Azulão

    Pássaros Silvestres: a alimentação dos filhotes de Azulão

    Quando os filhotes de Azulão nascerem, além da mistura diária de sementes, ou ração extrusada, deve-se fornecer cerca de 10 larvas de Tenébrio Molitor por dia para cada filhote, outros alimentos importantes são as farinhadas para pássaros a base de ovo cozido, flocos de milho pré-cozidos e farelo de soja. O fornecimento de ovo cozido proporciona aos filhotes pleno atendimento das exigências nutricionais, além de contribuir para o não surgimento, mais tarde, de penas brancas nas asas. Outros alimentos como milho verde, jiló e pepino também podem ser fornecidos.

    b_0_0_0_10_images_aves_cardinalidae_azulao-1

    Os primeiros dias após o nascimento dos filhotes são muito semelhantes ao de qualquer outra espécie de pássaros nativos. Os filhotes devem receber a melhor alimentação possível, tomando-se muito cuidado para não deixar a farinhada ou qualquer outro alimento azedar, o que acarretaria na morte de filhotes. Você deve prestar uma atenção especial ao momento de anilhar, uma vez que os filhotes devem ser anilhados bem novos, entre o 6° e 7º dia de vida.

    Os filhotes podem ser separados da fêmea depois dos 35 dias de vida. Algumas fêmeas podem ficar alimentando os filhotes por mais tempo, da mesma forma é comum ver filhotes alimentando uns aos outros. As azulonas têm uma excelente fama como mães, tratam com facilidade da sua prole e ainda podem ser usadas para alimentar filhotes de outras espécies.

© Direitos reservados - Mundo dos Pássaros